Bolos e concursos...

Aproximava-se o Natal e queria fazer uma sobremesa para a consoada. Depois de fazer tantos doces e bolos torna-se complicado escolher e a necessidade de surpreender aguça o engenho. Comecei a pensar no assunto cerca de duas semanas antes e surgiu-me a ideia de um bolo de coco com chocolate, uma combinação que sempre resulta, mas era demasiado simples. Procurei combinações possíveis e encontrei a do coco e pera, a partir daí foi fazer experiencias. O certo é que deram o seu fruto, pois desde que acertei a receita seguiram-se sete bolos iguais! Vale a pena experimentar porque embora possa parecer o contrário não é demasiado complexo. Aproveitando o êxito da mesma decidi tentar participar no concurso (www.claudiaandjulia.com/concursoEmileHenry2017) organizado pela Claudia & Julia uma loja on line que faz entregas em toda a península ibérica e onde já comprei alguns produtos www.claudiaandjulia.com

"Bolo de Coco com Creme de Pera"

Nível de dificuldade:

Médio

Tempo de elaboração:

40 min + 50 min

 

Ingredientes:

200g de leite de coco, (minimo 50% de coco)

3 c/s de coco ralado

6 ovos tamanho L

150g de açúcar

250g de farinha com fermento

1/4 c/c de fermento

175 ml de óleo vegetal

Preparação:

Unte um tabuleiro de forno  Emile Henry, com manteiga e forre com papel vegetal. Bata os ovos com o açúcar até este ultimo se desfazer completamente. Sem deixar de bater junte a farinha peneirada com o fermento, seguida do coco ralado e finalmente o leite de coco. Coloque na forma e leve ao forno pré aquecido a cento e oitenta graus. Coza durante quarenta minutos a duzentos graus ou até que ao fazer o teste do palito este saia seco. Retire do forno e deixe repousar sobre uma rede cerca de dez minutos antes de desenformar. Descasque uma pera Rocha e coza cerca de dez minutos. Retire e escorra bem. Enquanto o bolo arrefece prepare o creme de queijo batido e pera.

Quando o bolo estiver frio corte em sentido longitudinal e retire a parte de cima com cuidado. Decore com a pera, cubra com o creme e volte a colocar a parte de cima. Termine de decorar o bolo com glacé de Maple Syrup e Icing Sugar.

Nota: Pode optar por outra cobertura como um glacé de chocolate.

 

Creme de Pera e Queijo Batido

Ingredientes:

200g de queijo fresco batido

100g de doce de pera

15g de mel

Preparação:

Numa tijela misture o queijo com o mel e misture com uma varinha de arames. Finalmente junte o doce de pera e envolva. Reserve no frigorífico.

 

Glacé de Maple Syrup

Ingredientes:

80g de Icing Sugar

60g de maple syrup

Preparação:

Coloque os ingredientes numa taça e bata com a varinha de arames até formar um creme. Utilize imediatamente.

Café com...

Gosto de café! Mal parecia se assim não fosse, vivendo na “terra” do dito. Cresci com o aroma a café torrado e garanto que não há coisa mais agradável. Deve ser de família pois o meu bisavô e posteriormente o meu avô nas décadas de quarenta/cinquenta  tiveram uma pequena torrefação e comercializavam a sua própria marca "Café Vencedor". Não foram muito longe com a mesma porque como me contou o meu tio, provávelmente o meu avô tinha a sua boa dose de preguiça e nem sempre torrava tanto como devia, mas lendo alguns documentos que encontrei haveria alguns problemas com as quotas de abastecimento... Tomo café com ou sem açúcar, nos doces e chocolate, licor de café, e ultimamente até nalgum prato… No entanto o café Mexicano, ou de “Olla” é outra forma diferente de todas as que conhecia e foi uma receita que aprendi num workshop  apresentado pela Judith, exímia cozinheira mexicana no “PanContigo” em Badajoz. 

"Café Mexicano"

Nível de dificuldade:

Muito fácil

Tempo de elaboração:

20 min

6 pessoas

 

Ingredientes:

6 colheres de sopa de café moido

2 pau de canela

4 cravinhos

100g de rapadura

6 chávenas de água 

 

Preparação:

Num recipiente aqueça a água com o pau de canela, o cravinho e a rapadura. Assim que começar a ferver reduza a intensidade para lume brando e deixe cerca de dez minutos até que a rapadura se desfaça completamente. Finalmente junte o café, e espere cerca de cinco minutos sem chegar a ferver antes de retirar do lume. Deixe repousar um pouco e passe por um filtro de café antes de servir.

Nota: A rapadura é um açúcar extraído da cana de açúcar, e cozido a altas temperaturas até formar um melaço que se deixa solidificar. Se não encontrar pode substituir por açúcar amarelo.

Natal

Uma imagem que associo ao Natal é a dos doces tradicionais. Cá em casa eramos mais de tortilhas ou azevias como queiram chamar-lhe, aquela espécie de pastéis de massa tenra com recheio de doce de grão e amêndoa. Lembro-me de uma tarde de Dezembro em que foram buscar-me mais cedo à "mestra", aquilo a que hoje chamariamos infantário, e ao chegar a casa encontrar a minha mãe na cozinha a fazer esses doces enquanto eu ficava a ver o "Charlot" no programa de cinema mudo.

Sempre me chamaram a atenção as bolachas de gengibre, não que as tivesse provado até visitar a Polónia, mas dava-me imensa preguiça só de pensar em fazê-las. Parece uma coisa complicadissima, (que não o é), e podem servir de pretexto para passar uma tarde na cozinha com os mais novos e criar novas memórias!

"Bolachas de Genjibre"

Nível de dificuldade:

Fácil

Tempo de elaboração:

20 min. + 30 min.

 

Cerca de  30 a 40 unidades

 

Ingredientes:

100g. de manteiga sem sal

100g. de açúcar amarelo

125g. de mel

1 gema de ovo

250g de farinha sem fermento

1/2 colher de chá de sal

1/2 colher de fermento

1/2 colher de bicarbonato

!/2 colher de canela em pó

1 colher de chá de cravinho moído

1 colher de chá de gengibre em pó

1/2 colher de noz moscada

 

Elaboração:

Parta a manteiga em pedacinhos e bata com o açúcar até formar um creme. Junte o mel e a gema de ovo e continue a bater. Misture a farinha com o sal fino, o bicarbonato, a canela, o cravinho, o gengibre e a noz moscada. Passe essa mistura por um coador ou peneira e junte ao creme sem deixar de bater. Quando tiver obtido uma espécie de massa areada termine de amassar com as mãos e forme uma bola. Cubra com papel aderente e leve ao frigorífico durante pelo menos uma hora. Aqueça o forno a 180º, e estenda a massa sobre papel vegetal polvilhado com um poco de farinha. Utilize umas ripas de cinco milimetros de altura para que ao estender a massa o rolo não baixe mais do que essa altura. Corte as figuras com as forminhas e coloque num tabuleiro de forno deixando entre elas um espaço e quatro a cinco centimetros. Leve ao frigorifico  cerca de quinze minutos antes de meter no  forno. Coza cerca de dez minutos ou até que o bordo das bolachas esteja dourado.

Nota: Esta mistura de especiarias é forte, pelo que pode optar por reduzir ligeiramente a quantidade de cravinho e noz moscada. A massa das bolachas deve estar fria quando a for estender, pelo que o limite de vezes que  pode amassar e estender a massa antes de a cortar é de três. Se tiver massa que tenha sido muito manipulada deve voltar a colocála no frigorífico. Ao refrigerar as bolachas antes de as cozer está a impedir que se deformem demasiado durante a cozedura.

Dióspiro...

Ainda sou do tempo em que os vizinhos ou amigos que tinham uma horta ou pomar ofereciam um cesto de fruta ou hortaliça. Um gesto de amizade ou boa vontade, como preferirem chamar-lhe. Chegava o fim do verão e lá esperava ansioso pelas uvas do vizinho, daquela variedade pequena e docinha! Muitos desses vizinhos já não estão connosco e as hortas foram abandonadas... No entanto ainda há pequenas comunidades por aqui e por alí que continuam essa tradição, cultivando a terra e vendendo ou oferecendo alguns dos seus produtos biológicos. Foi assim que de repente me deparei com dióspiros madurinhos e que me inspiraram nesta receita.

"Mousse de Dióspiros"

Nível de dificuldade:

Muito fácil

Tempo de elaboração:

20 min. + 240 min.

6 pessoas

 

Ingredientes:

360g de dióspiros

2 iogurtes naturais

80g de açúcar

10g de gelatina em pó

200 g de natas para bater

 

Preparação:

Retire a pele dos dióspiros e coloque-os no copo misturador com os iogurtes. Misture até formar um creme. Retire as natas do frigorífico. Coloque-as numa taça e bata a velocidade baixa até que comece a ficar firme. Adicione o açúcar, (duas colheres de sopa de cada vez), sem deixar de bater. Quando estiverem firmes reserve. Coloque a gelatina numa taça e junte quatro a cinco colheres de sopa de leite para hidratar. Derreta a gelatina cerca de quinze segundos no microondas ou em lume brando, mas sem deixar que ferva. Misture a gelatina com o creme de dióspiros e junte as natas envolvendo bem. Coloque em taças e reserve no frigorífico até ao momento de servir.

O Café Inglês!

As melhores férias aconteciam quando participava nas escavações do Castelo de Silves. Na opinião de alguns era trabalho, mas para mim significava fazer uma coisa de que gostava. Era a oportunidade de realizar um sonho de infância, trabalhar em arqueologia e conhecer outras pessoas. Durante alguns anos foi assim, levantar cedo e sair da rotina enquanto estava concentrado no que estava a fazer. Depois havia os momentos de descanso em que todo o grupo ia almoçar ao Café Inglês. Um restaurante gerido por um inglês ali mesmo ao lado do Castelo. Geralmente o menu dependia da criatividade da cozinheira e as únicas opções eram mesmo para a sobremesa. Destacava-se uma sobremesa à base de amêndoa e amaretto mas também os bolos caseiros. E foi um deles que ficou na minha memória, um bolo de banana que surgiu como resposta às bananas demasiado maduras. Uma delícia!

http://www.cafeingles.com.pt/

"Bolo de Banana com Caramelo"

Nível de dificuldade:

Médio

Tempo de elaboração:

30 min + 40 min

 

Ingredientes:

3 ovos

3 bananas maduras (aproximadamente 300g)

125g de açúcar

150g de farinha

15g de fermento

50g de óleo vegetal

1 iogurte natural

1 pitada de sal

Preparação:

Começamos por aquecer o forno a 180º. Untamos uma forma de bolo inglês com manteiga e polvilhamos com farinha. Em alternativa podemos forrar a forma com papel vegetal e untar com manteiga. Batemos os ovos com metade do açúcar até formar um creme uniforme. Tritura as bananas com o resto do açúcar e junta o iogurte. Misturamos o creme de banana com os ovos, com uma espátula, com movimentos envolventes para não baixar. Seguidamente juntamos o óleo misturando sempre e finalmente juntamos a farinha, o fermento e o sal passando-os por uma peneira. Envolvemos, colocamos na forma e levamos ao forno cerca de 30 a 40 minutos, ou até que ao espetar com um palito este saia limpo. 

Enquanto o bolo está no forno preparamos a ganache de caramelo. Deixamos arrefecer o bolo cerca de dez minutos antes de retirar da forma. Decoramos com a ganache e banana cortada em rodelas.

Ganache de Caramelo

Nível de dificuldade:

Muito fácil

Tempo de elaboração

20 min

 

Ingredientes:

125g de chocolate de culinária

50g de açúcar

2 colheres de sopa de água

125g de nata para bater

1 colher de chá de sal

20g de manteiga sem sal

Preparação:

Parta o chocolate em pedaços e reserve. Num tacho coloque o açúcar e a água e deixe caramelizar em lume brando até ficar de um tom amarelo-torrado. Retire do lume e junte metade das natas. Quando arrefecer ligeiramente, deixar de ferver, junte o resto das natas. Leve novamente ao lume até começar a fervilhar, retire e junte o chocolate. Deixe o chocolate derreter antes  juntar o sal e começar a mexer. Quando a mistura estiver uniforme deixe arrefecer fora do frigorífico, cerca de uma a duas horas antes de colocar sobre o bolo.

Os santos...

Cá em casa na véspera do “santos” era costume ir tratar das campas dos nossos antepassados, lavar, limpar, colocar flores… Para mim era o pretexto ideal para um passeio a pé numa tarde de outono e ainda visitar o cemitério. Gostava de percorrer as ruas vendo os jazigos e sepulturas mais antigas, e claro, como não podia deixar de se ir espreitar o ossário. Depois vinham as flores, habitualmente crisântemos, grandes ramos de flores de um amarelo acastanhado…

Da doçaria apenas me lembro dos “casamentos” de que não gostava, com passas de figo e noz. Também não costumávamos utilizar a abóbora na comida, embora por vezes houvesse alguma em casa, normalmente enorme. Confesso que sentia curiosidade pelas aboboras recortadas com a vela no interior, mas por outro lado parecia-me um desperdício, por isso quando vi estas formas não resisti e decidi experimentar esta receita de abóbora e noz.

"Bolo de Abóbora e Noz"

Nível de dificuldade:

Fácil

Tempo de elaboração:

30 min + 40 min

 

Ingredientes:

500g de abóbora

150g de açúcar

200g de nozes trituradas

350g de farinha

200 ml de óleo vegetal

4 ovos

5 colheres de café de canela

2 colheres de sobremesa bem cheias de fermento

1 pitada de sal

Preparação:

Pese a abóbora e coza até que consiga espetá-la com um garfo, cerca de quinze minutos. Corte em pedaços pequenos e triture. Bata os ovos com o açúcar até formar um creme esbranquiçado. Adicione o óleo em fio sem deixar de bater. Seguidamente junte a abóbora, a farinha, o fermento, a canela e o sal e envolva bem. Coloque em formas untadas com manteiga e leva ao forno cerca de trinta a quarenta minutos, ou até que ao espetar um palito este saia limpo.

Nota: O tempo no forno depende do tamanho das formas. Pode decorar o bolo com glacé real ou ganache de chocolate.