Refuge des Mottets

O tour do Mont Blanc é uma experiencia inesquecivel. Impossível descrever  as sensações que vivi percorrendo a montanha e “saltando” de um país para outro. De repente  parecía que caminhava  no Tibete onde me cruzava com os carregadores  que transportavam mantimentos com cavalos ou mulas e noutras ocasiões parecia que estava a atravessar um imenso deserto coberto de pedras soltas, avistando à distancia o resto do grupo que entretanto se tinha adiantado. Glaciares, bosques verdejantes e paisagens a perder de vista. Um estilo de vida muito diferente do habitual, levantando-nos às cinco da manhã e adormecendo às oito e meia da tarde. Durante o dia cada um comia dos mantimentos que tinha comprado no refugio anterior, mas quando chegavamos ao seguinte esperava-nos outra refeição diferente. Foi no refugio "Des Mottets", França, onde comi uma deliciosa sopa de legumes com pedaços de queijo. A partir dessa experiencia preparei um creme de legumes acompanhado de umas mini pizzas de courgette e queijo.

"Creme de Legumes com Crocante de Courgette e Queijo"

Nível de dificuldade:

Fácil

Tempo de elaboração:

30 min + 40 min

4 pessoas

 

Ingredientes:

600g de abóbora

250g de batata

200g de nabo

150g de tomate

150g de cebola

60g de alho francês

1 e 1/2 litros de água

3 c/sopa de azeite

Sal qb.

Pimenta qb.

1 courgette

Queijo para gratinar

 

Preparação:

Comece por descascar e lavar todos os vegetais, retire as sementes ao tomate. Seguidamente corte todos os ingredientes em pedacinhos pequenos coloque-os numa panela com azeite. Tape e deixe suar durante vinte minutos. Cubra  com água a ferver e volte a tapar. Quando estiverem cozidos triture com a varinha mágica e tempere de sal.

Enquanto prepara a sopa corte a courgette em espirais com o auxilio de um espirilizador. Coloque num escorredor e polvilhe com um pouco de sal. A courgette irá perder parte da sua água. Seguidamente escorra bem e seque com um pano de algodão ou papel de cozinha.  Forme pequenos montes num tabuleiro forrado com papel vegetal e espalhe-os ligeiramente, polvilhe com sal e pimenta e cubra com queijo para gratinar. Cubra com papel vegetal e volte a espalmar. Leve ao forno pré-aquecido até ficar crocante, cerca de vinte a trinta minutos. A meio da cozedura dê-lhes a volta. Sirva frio.

Caldos e sopas

Como todas as crianças não gostava lá muito de sopas mas como não tinha direito de opção tinha de as comer. Havia uma pela qual não morria de amores e comia com sacrifício, a canja. Se não gostava imaginem o que era comê-la já a esfriar, porque demorava tanto que quando acabava… Com o tempo aprendi que sabia muito melhor senão bem, quentinha! Provei a canja de perdiz apenas uma vez, no casamento de uma das minhas primas e estava muito agradável. Não é um artigo que se encontre com facilidade, tentei encomendar no talho, procurei nos hipermercados  sem sucesso e acabei por encontra-las na época de Natal numa loja de congelados.

"Canja de Perdiz"

Nível de dificuldade:

Muito fácil

Tempo de elaboração:

50 min 

4 pessoas

 

Ingredientes:

2 perdizes

1 cebola média

Água

Sal

100g aletria fina

Hortelã

 

Preparação:

Se necessário chamusque ligeiramente as perdizes. Retire as vísceras e lave bem em água corrente. Leve ao lume para cozer numa panela com a cebola e água suficiente para as cobrir. Ferva em lume brando quarenta minutos. Retire as perdizes e limpe de peles e ossos e reserve. Passe o caldo por um coador e volte a levar ao lume adicionando cerca de 100 gramas de aletria fina e coza dez minutos. Sirva o caldo acompanhado de pedaços de perdiz e um raminho de hortelã.

Aquela aboborinha...

Estamos na época das abóboras nos meios rurais é comum alguém oferecer uma abóbora que cultivou. Inicialmente ficamos agradecidos, é sempre bom ver que há pessoas que se lembram de nós não é? O problema surge quando a abóbora deixou de ter piada e se torna um empecilho. Como podemos gastá-la o mais depressa possível? Doces, tartes, sopas, assada, são tantas as coisas que podemos fazer, além de arranjar espaço no congelador… 

"Sopa de Abóbora com Leite de Coco e Caril"

Nível de dificuldade:

Muito fácil

Tempo de elaboração:

60 min

 

4 pessoas

 

Ingredientes:

1 kg de abobora

170g de cebola

200 ml de leite de coco

1 colher de chá de caril

1 colher de chá de gengibre

Azeite

4 colheres de sopa de sementes de abóbora

2 colheres de sopa de banana desidratada

2 colheres de sopa de mel

Sal

Pimenta

 

Preparação:

Corte a abobora em pedaços limpe bem de sementes e coloque com a casca virada para baixo num tabuleiro com o fundo untado com azeite. Leve ao forno para assar cerca de quarenta e cinquenta minutos, ou até que a abóbora esteja cozida. Pique a cebola e refogue com um pouco de azeite, até que esteja transparente. Com uma colher separe a polpa da casca e junte-a à cebola, com o leite de coco, o caril e o gengibre e triture com a varinha mágica. Cozinhe em lume brando cerca de quinze minutos. Se o creme estiver demasiado espesso adicione um pouco de água ou leite. Enquanto termina a sopa coloque um pouco de azeite numa frigideira, e assim que aquecer coloque as sementes de abóbora e espere que comecem a abrir. Baixe o lume, junte a banana, adicione o mel e polvilhe com sal e pimenta. Retire para um prato ou papel vegetal, espalhe e deixe arrefecer. Sirva o creme quente acompanhado com este topping.

Melões e companhia.

Uma fruta que sempre me recusei a comer era o melão. Se me perguntarem porquê não sei explicar, é daquelas coisas que interiorizamos! Uma noite fui jantar com o meu irmão e a namorada a casa da minha tia e a sobremesa era uma salada de melão com cerejas em calda… Bem tentei recusar mas a tia insistiu e tive de comer a minha parte... Isso sim, entre cada bolinha de melão marchava uma cereja! Com as meloas acontecia o mesmo. Comprava para a minha avó e cheguei a dizer-lhe “não gosto, mas olhe que cheira lindamente”. Agora cada vez concordo mais com aquele ditado que diz: "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades". Na pesquisa das sopas frias encontrei esta e decidi experimentá-la com meloa, porque além de ser mais pequena e ser mais fácil de controlar as quantidades a probabilidade de ser doce é maior.

 

"Sopa Fria de Meloa"

Nível de dificuldade:

Muito fácil

Tempo de elaboração:

15 min + 120 min

 

4 pessoas

 

Ingredientes:

600 g de meloa

250 g de iogurte grego natural

Sal

Pimenta

Azeite

Hortelã

Cubinhos de presunto

Preparação:

Limpe a meloa de casca e sementes e corte em pedaços pequenos. Triture no copo misturador até desfazer completamente. Adicione o iogurte e bata até que se misture completamente. Tempere com um pouco de sal e pimenta. Reserve no frigorífico até ao momento de servir. Para acompanhar salteie cerca de dois minutos os cubinhos de presunto numa frigideira bem quente.  Antes de servir decore o prato com umas folhinhas de hortelã, uns cubos de presunto e umas gotinhas de azeite.

Nota: A quantidade de meloa que utilizei foi quatrocentos gramas depois de limpa. Se a sopa estiver demasiado espessa pode diluir ligeiramente com um pouco de leite magro.

Sopas ou sumos?

Com o verão chegou o calor e não apetece estar na cozinha. Mudamos para uma dieta liquida acompanhada de alguns pratos frios mas não estaremos a descuidar a nossa alimentação? Falar em receitas muito elaboradas está fora de questão e sopas então... Esta receita é uma espécie de hibrido entre sopa e sumo. Um prato simples que guardamos no  frigorífico e podemos beber a qualquer hora do dia.

"Sopa Fria de Cenoura, Laranja e Gengibre"

Nível de dificuldade:

Muito fácil

Tempo de elaboração:

30 min

4 pessoas

 

Ingredientes:

500 g de cenouras

1 cebola média

1 dente de alho

1 colher de sobremesa de gengibre

Azeite

Sal

300 ml de água

Sumo de cinco a seis laranjas

Preparação:

Pique a cebola e o alho e refogue com um pouco de azeite. Descasque as cenouras e corte em rodelas finas. Junte ao refogado, tape e deixe cozer cerca de cinco minutos antes de juntar a água, de preferência quente, se quiser acelerar a cozedura. Esprema as laranjas e reserve o sumo. Quando as cenouras estiverem cozidas, (cerca de vinte minutos), adicione o gengibre e o sal e triture tudo. Deixe arrefecer um pouco antes de juntar o sumo de laranja. Passe a mistura por um coador para verificar que não ficou nenhum pedaço e reserve no frigorífico até ao momento de servir.

Nota: A quantidade de sumo depende de se prefere a sopa mais ou menos liquida.

Caldo verde

A origem desta sopa é o norte de Portugal no entanto há muito que se consome em todo o país. Cá em casa sempre a comemos inclusive o meu pai que não gostava mesmo nada de hortaliça. Atualmente é prato que não costuma faltar nas festas de aniversário ou mesmo na ceia de ano novo.

"Caldo Verde"

Nível de dificuldade:

Muito fácil

Tempo de elaboração:

60 min

6 pessoas

 

Ingredientes:

600 g de batatas

1 cebola grande

2 dentes de alho

200 g de couve galega 

2 litros de água

1 chouriço 

Coentros (opcional)

Azeite

Sal

Preparação:

Aqueça a água enquanto descasca e corta as batatas, a cebola e os dentes de alho. Coza com uma colher de azeite durante vinte minutos. Entretanto  demolhe o caldo verde, molhando a água duas a três vezes. Triture as batatas, a cebola e os alhos e junte a couve. Tempere com sal e tape para acabar de cozer em lume brando. Mexa de vez em quando para não se pegar. 

Sirva acompanhado com rodelas de chouriço  e regado com um fio de azeite.

Nota: Se gosta do sabor dos coentros pode juntar coentros picados pouco antes de retirar do lume.

A sopa de cação sem cação...

Cá em casa faziam esta sopa que de cação só tinha o nome porque ninguém gostava. Mas eram os temperos que lhe davam todo o sabor. Adorava aquela sopa espessa com o sabor forte dos coentros e do vinagre. A minha mãe e a minha avó é que a acompanhavam com pescada cozida. Eu que não gostava de peixe ficava pelo creme espesso e pão demolhado. Só muito mais tarde vim a prová-la com cação e gostei, até porque este peixe quase nem tem espinhas!

"Sopa de Cação"

Nível de dificuldade:

Muito fácil

Tempo de elaboração:

30 min.

2 pessoas

 

Ingredientes:

600 g de cação

3 dentes de alho

1 raminho de coentros

4 colheres de farinha

3 a 4 colheres de vinagre de vinho branco

1000 ml de água

Pão alentejano 

Sal

Azeite

Preparação:

Coza o cação quinze a vinte minutos em água a ferver com um fio de azeite. Pique os coentros junte o alho e o sal e esmague num almofariz. Desfaça a farinha com o vinagre e um pouco de água quente. Quando o cação estiver cozido retire. Junte a farinha e o vinagre à água da cozedura mexendo até misturar completamente. Junte os coentros e o alho. Coloque numa tijela o pão fatiado cubra com o caldo e finalmente coloque as postas de cação.

Nota: A quantidade de coentros e vinagre pode ser alterada a seu gosto.

Nabos

Cá em casa era habitual comer nabo. Nas sopas nunca faltava um ou dois e no cozido à portuguesa com certeza. Mas a coisa ficava por isso mesmo. Muitas pessoas  não gostam, basta falar em nabos e torcem logo o nariz e é certo que às vezes amargam um bocado. Mas também não tinha mais ideias para os usar. Um dia destes vi-os no supermercado com tão bom aspecto que pensei fazer uma sopa e o resultado surpreendeu-me.

"Creme de Nabo"

Nível de dificuldade:
Muito fácil
Tempo de elaboração:
40 min.

6 pessoas

 

Ingredientes:

500 g de nabo

250 g de batata

1 cebola

2 dentes de alho

Azeite

Sal

Preparação

Descasque e corte a cebola em juliana fina e pique os alhos. Refogue-os em lume brando com uma boa quantidade de azeite mexendo de vez em quando para que não se queime. Entretanto descasque as batatas e os anbos e corte em cubos pequenos. Adicione ao refogado e tape para que suem cerca de dez a quinze minutos. Adicione cerca de dois litros de água e deixe cozer. Triture com a varinha mágica e tempere com sal. Se necessário adicione um pouco mais de água. Sirva quente acompanhado de croutons.