27. ago., 2018

"A Livraria dos Finais Felizes", Katarina Bivald

Noutra vida devo ter sido um rato de biblioteca, livraria que veja livraria que entro. Prometo a mim mesmo que apenas vou dar uma espreitadela e portar-me bem, mas é complicado. Convencional ou alfarrabista gosto de vasculhar, passear entre as estantes cheias e descobrir o que tem para oferecer. Não sei de onde me vem este vício, mas cresci rodeado de livros e não paro de acumular mais! A Livraria dos Finais Felizes” de Katarina Bivald foi uma daquelas compras muito pensadas. Durante algumas semanas vi o livro em exposição nas novidades, lia e relia o resumo da contracapa, mas não me decidia. Mas aquele autocolante onde se lia, “há um livro para cada pessoa, este pode ser o teu” era como um íman que me atraia e ao mesmo tempo me afastava. Como é que isso era possível? Um dia num momento de loucura em que comprei vários livros este também veio no lote, mas como não podia deixar de ser acabou por ir parar debaixo de muitos outros e ficou esquecido durante semanas. Quem é que alguma vez não pediu a um livreiro que lhe aconselhasse um título? Para trabalhar com livros é preciso vocação, gostar de ler, de manuseá-los e já agora um pouco de psicologia para tentar descobrir o tipo de cliente. É isso que nos transmite a autora ela própria livreira  de profissão. Sara, uma jovem sueca vai passar dois meses a uma pequena cidade dos Estados Unidos, mas os problemas começam quando descobre que a sua amiga virtual faleceu e não tem mais companhia do que uma mala cheia de livros. Poderão os livros mudar as pessoas? Ela pensa que sim e que há um livro certo para cada pessoa, só precisam de uma pequena ajuda para o encontrar. A livraria dos finais felizes é um daqueles livros de leitura compulsiva e que nos deixa com um sorriso nos lábios.

Edição portuguesa  "Suma das Letras"